IMG_7762 (1)

A observação, além de facilitar a memorização e o processo de aprendizado, torna a aula muito mais divertida e dinâmica! Além de possibilitar que o professor promova atividades avaliativas diferentes e ainda, consiga observar os alunos lidando com a matéria em um ambiente com menos pressão psicológica do que uma sala de aula comum. Estas são 5 dinâmicas diferentes que podem ser produzidas em ambiente escolar que utilizam microscópios.

  1. Extração do DNA do morango:

    Para a atividade vai ser necessário selecionar 3 morangos e retirar os seus respectivos cabinhos verdes. O próximo passo é colocar os morangos dentro de um saco plástico e pressionar os mesmos com os dedos até que eles se tornem uma pasta quase homogênea e então, transferir essa pasta de morango para um becker. Em outro becker deve misturar 150 ml de água, uma colher (sopa) de detergente e uma colher (chá) de sal de cozinha. Mexer bem esta mistura com o bastão de vidro, porém devagar para não fazer espuma. O próxima passo seria colocar cerca de 1/3 da mistura de água, sal e detergente sobre a “pasta” morango. Misturar levemente os ingredientes com a ajuda do bastão de vidro e incubar a mistura em temperatura ambiente por 30 minutos. É recomendado mexer de vez em quando com o mesmo bastão. O processo segue ao colocar uma peneira sobre o becker limpo e passar a mistura pela peneira para retirar os pedaços de morango que restaram e enfim, colocar metade do líquido peneirado em um tubo de ensaio. O ideal seria colocar apenas cerca de 3 dedos no fundo do tubo. Despejar delicadamente a mistura no tubo (pela parede do mesmo, para escorrer pelo vidro) e sobre a solução, adicionar dois volumes de álcool comum. Não devemos misturar o álcool com a solução. Após aguardar cerca de 3 minutos para o DNA começar a precipitar na interfase. Após, uma sugestão que torna o experimento ainda mais interessante seria usar um palito de vidro, plástico ou madeira para enrolar as moléculas de DNA e então, observar o mesmo pelo microscópio.

  2. Célula da folha de uma Elodea:

    A proposta aqui é analisar de forma prática as células da folha da planta aquática Elodea! Para observar as células desta planta você pode retirar uma folha jovem de um dos ramos com a ajuda de um pinça e fazer uma montagem temporária, em água entre lâmina e lamínula. As folhas são muito finas e não precisam ser cortadas e podem ser examinadas com muita facilidade ao microscópio com luz transmitida. É interessante começar a observar em um pequeno aumento para se ter uma idéia geral da estrutura mais ampla da folha e, depois, com aumentos maiores, compreender os detalhes.

  3. Observação de uma célula animal:

    Para essa experiência é necessário uma lâmina bem limpa e com a ajuda de um palito, raspar cuidadosamente a mucosa interna da bochecha e depois de ter feito esse procedimento, esfregar o palito na lâmina. Coloque uma gota de corante azul de Metileno sobre o material e então, deposite a lamínula sobre tudo isso. Com um papel filtro retire o excesso e então, leve o resultado final ao microscópio e observe em todos os aumentos.

  4. Pele de cebola:

    É necessário tirar uma camada da cebola e ainda retirar uma película dessa camada da cebola; após ter feito isso se deve colocar a película em uma placa de Petri e adicionar algumas gotas do corante violeta genciana. Após aguardar 5 minutos, é necessário adicionar álcool etílico sobre as películas até encobri-las e deixar por mais 5 minutos. O próximo passo é colocar a película na lâmina e lavá-la com álcool duas vezes para retirar o excesso do corante e, depois, com água destilada. É necessário deixar a lâmina secar naturalmente e então, já pode levar ao microscópio para a visualização. As células da cebola são alongadas, com núcleo e parede celular evidentes.

  5. Repetir como Robert Hooke descobriu a célula:

    Com a ajuda de uma lâmina de barbear, deve-se realizar vários cortes transparentes na cortiça. Com um conta gotas, o próximo passo é depositar uma gota de água no centro da lâmina e em seguida, colocar o pedaço de cortiça no centro da lâmina e o cobrir com a lamínula. O próximo passo consiste em levar a lâmina ao microscópio e observá-la em todos os aumentos.

IMG_7422 (1) (1)

A Homelab oferece uma ampla gama de microscópios para atender qualquer demanda da sua instituição de ensino, além disso, também disponibiliza uma linha completa de acessórios para o aparelho e lâminas prontas para que as aulas com o microscópio também possam ser realizadas sem tanto preparo prévio e mais rapidez. Basta clicar aqui para conhecer todos os produtos que a Homelab oferece com foco em possibilitar e facilitar a execução de aulas com microscópios.

Compartilhe Tags
0 comentários

beber o arco-iris

A densidade de líquidos pode parecer muito confusa, afinal, como pode algum líquido ser mais pesado do que outro? Realmente não é um tópico que é trazido à tona em outros momentos da vida, o que, como sabemos, pode causar dificuldade graças ao fato de que a matéria não é realmente observado durante o dia-a-dia e se é observada, é vista como algo rotineiro e não como ciência. Porém, a realidade é que a densidade está a nossa volta o tempo todo. Em um copo de água com o gelo boiando e um de bebida alcoólica com o gelo no fundo do copo e até mesmo nos icebergs flutuando no oceano.

A necessidade de uma atividade prática vem da ideia de que se um aluno conseguir observar o fator acontecendo com os próprios olhos, ele vai ser capaz de compreender o assunto melhor. Já a proposta de algo dinâmico e lúdico para se conectar com o emocional do estudante consegue garantir que ele vai memorizar a matéria pois, ao se conectar com esta parte do cérebro, a memória tende a se tornar de longo prazo.

Esta experiência brinca com os dois fatores: visualização e a ludicidade.

Este experimento pode ser feito em grande escala dentro de uma proveta graduada de 100ml do conjunto de vidrarias. A brincadeira exige uma pipeta que está disponível no nosso conjunto básico para laboratório de 57 peças. Este conjunto, além de proporcionar o material para esta atividade, também permite que a imaginação do professor crie muitos outros experimentos além de garantir equipamentos de qualidade para um laboratório de química.

IMG_7449

A Homelab oferece uma linha completa para que o estudo de matérias como Química, Física, Matemática, Geografia, Ciências e Biologia se torne cada dia mais interessante, cativante, e como consequência, os alunos consigam aprendem a matéria cada dia com mais facilidade e os resultados acadêmicos se tornem ainda mais altos dentro da instituição de ensino.

IMG_7699

Aulas mais dinâmicas e divertidas fazem com que o aluno consiga memorizar melhor a matéria e assimilá-la de forma mais rápida e eficiente pois permite a visualização da matéria muito além de ilustrações em 2D e toda a teoria. Além disso, situações práticas são capazes de criar laços emocionais com os estudantes, que, por consequência, acabam por memorizar melhor e se interessar mais pela matéria!

Materiais como os sólidos geométricos em acrílico com 37 unidades permitem que os alunos usem os sentido para explorar e assimilar o conteúdo, garantindo uma aula fora do comum que facilita o processo da criação da memória de longo prazo. Esses sólido podem inclusive serem preenchidos com líquido para uma melhor visualização e estudo do volume deles, ou seja, as funções deste material são as mais variadas e permitem que o professor use a imaginação para o desenvolvimento de atividades.

Atividades que usem a noção espacial dos estudantes e testem seus conhecimento na área podem ser usadas como método de memorização e ainda, como atividades avaliativas propostas de maneira menos estressante e muito mais divertida!

Uma proposta para esse tipo de atividade poderia ser a dos palitos e balas de goma, qual exige, além dos conhecimento de geometria, a capacidade de trabalhar em grupo e coordenação motora dos alunos!

Nessa atividade a ideia é construir formas geométricas com esses materias! O professor pode separar a turma em equipes, todas responsáveis por construir alguns sólidos geométricos previamente designados com esses materiais tão curiosos! Assim, é possível ajudar na memorização dos nomes das formas e os estudantes entendem melhor a estrutura desses mesmos sólidos, afinal, é preciso essa compreensão para contruí-los.

Nessa prática, as balas de goma são usadas como um cola e são – fisicamente observando a forma escolhida – os vértices. Já os palitos fazem o papel das arestas da forma. Basicamente, a ideia é fixar os palitos nas balas de goma, assim construindo vagarosamente a estrutura pedida. O professor ainda poderia pedir que os alunos calculassem o volume do sólido construído por eles mesmos. Além de ser uma atividade divertida, diferente e muito gostosa, essa atividade ajuda na memorização da matéria!

A questão é explorar as formas de várias maneiras, para que o aluno, assim, se familiarize com a geometria espacial como matéria discutida de forma educacional! Ao falar dessa variedade necessária dentro da abordagem usada na matéria, é válido dizer que origamis são de grande auxílio na hora de desenvolver essa descoberta da geometria e o interesse pela mesma.

Esse exercício explora várias formas planas aplicadas em uma estrutura multidimensional, permite a observação da estrutura, testa as habilidades manuais dos alunos e ainda é uma atividade dinâmica e divertida para ser feita em sala!

Outra opção para explorar essas diversas facetas dentro da geometria espacial, é este cilindro que de forma divertida, permite explorar todos os ângulos de uma só forma! O professor poderia produzir um desse e permitir que a sua turma explore o objeto!

Como sempre, a proposta da Homelab vem para promover atividades diferenciadas, que saiam do padrão e por consequência, ajudem no desenvolvimento pessoal dos educandos e facilitem o aprendizado de matérias que tendem a gerar grandes dificuldades dentro da grade curricular. Com o apoio de materiais como os sólidos geométricos em acrílico com 37 unidades, aprender matérias como matemática, química, biologia e física, acaba se tornando muito mais fácil e prazeroso!

IMG_7992 (1)

Conteúdos como Rotação e Translação da Lua e da Terra, Revolução, Fases, Eclipses, Marés, Apogeu e Perigeu, a existência de Fusos Horários e Acúmulo de gelo nos pólos podem soar confusos para os alunos por serem temáticas fora de contexto em relação ao que eles observam no dia-a-dia pessoal. Afinal, alguns desses itens estão fora do alcance dos olhos de grande parte da população mundial e outros, apesar de sempre presentes, viraram tão rotineiros que deixaram de ser ciência e, na cabeça dos estudantes, virou simplesmente rotina.

O estudo do universo é muito interessante, pode ser extremamente divertido, único, apaixonante e ainda, explora a imaginação dos alunos que um dia sonharam em ver a terra lá de cima, do espaço. O desconhecido tende a despertar interesse e curiosidade nos alunos, porém, isso não garante que a compreensão do tema seja fácil.

Por conta da grande escala de todos esses acontecimentos, pode ficar difícil a visualização dos mesmo, é com essa questão que o Planetário Iluminado pode auxiliar no aprendizado, já que ele permite que o professor mostre cada fenômeno acontecendo e consiga, por meio disso, explicar de forma muito mais completa e compreensível o conteúdo para os alunos. Apesar de ser um instrumento extremamente interessante em um laboratório, o aparelho pode ser usado em sala de aula para quebrar a rotina e deixar o aprendizado muito mais interessante, além de garantir uma melhor compreensão e memorização do assunto abordado.

Alguns dos assuntos que podem ser abordados com esse material são:

  • O Sol:
    • A luz;
    • A sombra;
    • O nascente;
    • O poente
    • Aparecimento e desaparecimento do Sol;
    • Iluminação pelo Sol;
    • Orientações baseadas no Sol: pontos cardeais;
    • A relação as estações do ano e a posição do Sol em relação à terra;
    • Solstício e Equinócio;
    • Posições do Sol ao amanhecer e anoitecer, nas diferentes estações e regiões do planeta;
    • Terra em relação ao Sol: afélio e perifélio.
  • A Lua:
    • Rotação;
    • Translação;
    • Revolução;
    • Fases;
    • Eclipses;
    • Marés;
    • Apogeu;
    • Perigeu.
  • A Terra:
    • Rotação;
    • Translação;
    • Fusos Horários;
    • Acúmulo de gelo nos polos;
    • O clima na linha equatorial.

O relacionamento desses itens também pode – e deve – ser abordado. Compreender que um eclipse solar exige o posicionamento perfeito do Sol, da Lua e da Terra (e que para ele ser observado, também é necessário um posicionamento específico dentro do planeta Terra) faz com que os estudantes liguem cada item desses um ao outro. Nada poderia ser melhor para compreender esse alinhamento do que o Planetário Iluminado que permite que os alunos visualizem de verdade esse acontecimento!

Itens relacionados ao Sistema Solar também podem ser estudado com a ajuda desse material, tais como:

  • Posição da Terra no Sistema Solar;
  • Disposição dos planetas em ordem de distância ao Sol;
  • O estudo das órbitas dos planetas.

Bons resultados em áreas como essa podem garantir alunos vencedores e no mínimo, muito bem colocados em competições como a Olimpíada Brasileira de Ciências. Reconhecimento em competições como essa trazem grande nome para a instituição de ensino e ainda acrescenta muito ao currículo do estudante. O foco é sempre ser capaz de cultivar o amor e interesse pela descoberta e aprendizado nos alunos, pois, no final, são esses fatores que elevam o nível educacional de forma dramática.

A Homelab propõe ensinar de forma muito mais divertida, dinâmica e intuitiva. Por acreditar que a prática é capaz de tirar as dúvidas deixadas para trás pela teoria, ela oferece linhas completas de produtos focados totalmente no ensino de diversas áreas como Ciências, Química, Biologia, Matemática, Geografia e História. Por esses meios, a Homelab tenta garantir que a qualidade de ensino continue evoluindo e os estudantes, aprendendo cada dia mais!

Compartilhe Tags
0 comentários

IMG_7928

Histologia é o estudo dos tecidos vivos, pois, apesar de muitos leigos acreditarem que todos os tecidos são iguais, as diferenças estruturais existem e são essenciais para que cada um cumpra seu devido papel de forma eficaz. Exatamente por essas diferenças entre os tecidos serem de tamanha importância, que todas precisam ser estudadas e memorizadas separadamente.

É preciso saber que um único organismo multicelular é constituído por diferentes tipos de células e cada tipo é especializado em realizar diferentes funções específicas necessárias para onde ele está posicionado. A histologia (do grego: hydton = tecido + logos = estudos) é a ciência que estuda os tecidos biológicos, sua formação, origem, estrutura e funcionamento; por isso, garante o estudo de todo este complexo sistema de tecidos vivos.

Mas apenas ter conhecimento da existência de células com estruturas distintas não é o suficiente, o aprofundamento é necessário pois é preciso conseguir distinguir cada tipo de tecido e suas respectivas células, reconhecer suas funções e ainda saber onde encontrá-las. Cabe à instituição de ensino compreender que este grande volume de conteúdo pode facilmente se tornar uma atividade extremamente árdua para seus alunos e que gera intensa dificuldade na hora do aprendizado. Sabendo disso, a instituição deve decidir qual atitude vai tomar para garantir a criação de uma memória de longo prazo sobre o tema discutido, assim, assegurando total compreensão da matéria por seus estudantes.

As atividades práticas são as melhores ferramentas para a criação de uma memória permanente, pois, elas conseguem se conectar não apenas com o intelecto, mas também com o emocional dos estudantes, assim, ajudando a tornar o momento do aprendizado em algo inesquecível e consequentemente, a matéria em algo memorável.

IMG_8016 (1)

Lâminas criadas com a intenção de promover o estudo da histologia são a melhor opção na hora de trabalhar com este tema. A experiência e visualização fora das páginas de uma apostila que podem ser promovidas pelas lâminas previamente preparadas para o estudo de histologia, auxiliam majestosamente no processo de fixação da matéria. A vasta linha de microscópios disponibilizados pela Homelab também oportuniza uma maior exploração desses materiais, além de viabilizar que os alunos percebam as diferenças entre cada tipo de tecido de forma individual. Além disso, as lâminas para preparo permitem que o educador proponha sua própria ideia na hora de realizar aulas como esta.

O professor, como mais uma motivação ao processo de memorização, pode promover uma identificação dos tipos de tecidos antes da aula prática, com imagens impressas, explicações e categorizações. Após a assimilação inicial ter sido concluída, o pedagogo pode possibilitar com que os alunos observem as lâminas nos microscópios e tentem reconhecer qual seria o tecido em questão. Atividades como essa propiciam o desenvolvimento individual de cada um, mas, sem excluir o fator dinâmico do ambiente laboratorial.

A Homelab acredita no aperfeiçoamento da educação por meio de aulas práticas, divertidas, dinâmicas, que desafiem de maneira positiva os alunos e que ainda promovam o real ato de aprender e não apenas o “memorizar para a prova”. Com uma linha completa que proporciona auxílio na hora de cumprir estas tarefas, a Homelab quer continuar promovendo uma didática repleta de experimentos, laboratórios, dinamismo e inovação!

IMG_7701

A física mecânica é de extrema relevância, mas apesar de estar presente em toda a nossa volta, nós estamos tão habituados com os efeitos dela que nem os notamos mais. Essa negligência aos efeitos do centro gravitacional e de muitos outros temas ao nosso redor tem grande impacto na baixa memorização da matérias pelos estudantes, pois esse costume faz com que toda a explicação soe como algo extremamente dedutível e previsível, afinal, é fácil saber em que posição os objetos ficam em equilíbrio, certo? É nessa hora que os equívocos começam, pois, ao contrário do que a mente pode dizer, o centro gravitacional vai muito além do centro estrutural de um objeto.

As experiências descritas neste texto tem como função mostrar o quanto o centro gravitacional é mais complexo do que aparenta e por meio disso alimentar o interesse dos alunos pela matéria, motivá-los a explorar essa nova percepção a sua volta e fazer com que percebam que o que – normalmente – temos como senso comum pode ser desafiado por situações do dia-a-dia e que isso tem relação direta com a física.

1. Centro gravitacional virtual!

“O centro de gravidade fica fora do objeto”, apesar de ser uma explicação correta, ela soa extremamente confusa. Visualizar esta teoria (o que é uma parte importante do processo de aprendizado) é praticamente impossível sem o auxílio de um experimento que demonstre como o equilíbrio pode não pertencer a nada físico.

2. As diferenças gravitacionais entre o homem e a mulher!

O centro de gravidade está presente em nossas vidas a todo momento. Porém, como já foi apontado, por estarmos tão acostumados com ele acabamos nunca notando seus efeitos. Esta experiência permite que o os estudantes percebam a aplicação desse assunto em seus próprios corpos.

Um fato interessante é que o centro de gravidade das mulheres (em geral) é posicionado diferentemente do centro de gravidade dos homens. Existem experiências que podem demonstrar isso.

Se um homem e uma mulher ajoelharem-se (encostando apenas o joelho e a ponta dos pés no chão) e colocarem as mãos nas costas, um experimento pode ser feito para demonstrar de forma divertida o quanto o centro gravitacional afeta o equilíbrio.

A ideia é posicionar um objeto pequeno, como uma caixa de fósforos de pé no chão e deixar que os alunos (um homem e uma mulher) tentem derrubar a caixa os o nariz. Durante essa tentativa, os estudantes devem manter as mãos nas costas, continuarem ajoelhados e com apenas o joelho e a ponta dos pés no chão.  

Graças à diferença anatômica, o que normalmente ocorre é que os homens não conseguem cumprir o proposto pois perdem o equilíbrio (isso ocorre graças ao centro de gravidade masculino que tende a ficar no torax) e que as mulheres cumpram a tarefa com facilidade (já que o centro de gravidade delas fica na região do quadril).

3. O pássaro equilibrista!

Ao contrário do que poderia ser deduzindo sem o estudo adequado, o centro gravitacional deste origami está em uma extremidade graças ao peso das asas.

4. A relação de volume e ângulo com o centro de gravidade!

Para essa atividade o professor deve encher um dos sólidos ocos disponibilizados pela Homelab com algum líquido (preferencialmente colorido para melhor visualização de toda a classe) ou com algum material sólido que seja capaz de preencher todos as fissuras (como amido de milho com ou farinhas integrais com pequenos grãos). Depois disso, a ideia é que o professor permita que alguns estudantes tentem equilibrar o cilindro em sua própria borda ao redor de uma das bases, o que faria com que o objeto em questão ficasse em equilíbrio em um ângulo maior do que o de 90 graus com a superfície, assim desafiando novamente o que o cérebro imagina ser o centro gravitacional.

Este experimento é possível sem grandes dificuldades mas pede estudo e treino prévio. É válido ressaltar que a quantidade de material dentro do recipiente tem grande influência sobre o resultado final.

Após algumas falhas e preferencialmente, o acerto do professor que deve expor o volume de material correto que deve permanecem dentro do sólido e o ângulo adequado em relação a onde o sólido está apoiado, o experimento ainda pode ser repetido, só que, dessa vez, com latas de metal (como as de refrigerante) pois graças a suas quinas com dois apoios e por ela ser mais larga, a margem de erro para o equilíbrio perfeito se torna maior, o que em si, já rende uma explicação do professor para a classe. Lembrando novamente que a quantidade de material dentro da lata também interfere nos resultados.

A grande importância dos sólidos transparentes é demonstrar para os alunos o quanto o volume do material dentro do sólido interfere no resultado, pois, por a lata ser de metal, os alunos são impedidos de visualizar isso de forma prática e as dúvidas tendem a prevalecer após a atividade.

Estes exemplos abordam a estranheza causada pelo centro gravitacional, mas, com o auxílio do conjunto para mecânica básica, o professor pode explorar ainda mais as possíveis atividades a serem desenvolvidas abordando este mesmo tema e suas vertentes. O material ainda permite que dentro de um ambiente laboratorial sejam realizadas atividades em grupo para avaliar se os estudantes realmente aprenderam com as aulas teóricas e práticas desenvolvidas na instituição de ensino.

O que a Homelab propõe com estas atividades, são oportunidades de aprender de forma dinâmica, divertida, memorável e que atraiam o interesse de todos os estudantes, assim, facilitando o aprendizado e tornando o ambiente escolar mais leve.

IMG_7725

A função dos produtos notáveis é facilitar alguns cálculos, reduzir o tempo de resolução e agilizar o aprendizado, mas, muitas vezes, os estudantes acabam ficando mais confusos com os produtos notáveis do que sem eles e a sua função – tão útil -, acaba por se perder nesse caminho. Quando isso ocorre, é uma grande perda. Os jovens desperdiçam a oportunidade de facilitar suas próprias vidas com os recursos oferecidos. Cabe ao professor garantir que seus discípulos aprendam isso e utilizem essa habilidade na vida acadêmica, já que, por exemplo, uma das grandes dificuldades em vestibulares e no ENEM é o pouco tempo disponível para resolver cada questão e os produtos notáveis servem exatamente para isso, diminuir o tempo levado para chegar a solução das contas feitas.  O que, como resultado, pode inclusive melhorar a posição da instituição de ensino em rankings que levam em consideração a colocação dos alunos nesses tipos de prova.

O conceito dos produtos notáveis, em si, não é complicado, mas, aplicá-lo tende a ser mais trabalhoso. É necessário saber muitos dados previamente decorados para conseguir utilizar esta técnica e é nesse momento que os educandos se sentem – muitas vezes – confusos e se afastam das facilidades que o produto notável pode gerar, isso ocorre por puro medo de a mais nova lição acabar gerando mais dano do que ganho. A Homelab disponibiliza a possibilidade de, trabalhando junto da instituição de ensino, auxiliar na tarefa de melhorar todo esse processo de aprendizado dos produtos notáveis.

Algo de grande importância que, de maneira nenhuma, não deve ser menosprezado é o lembrete impresso. Preferencialmente, o professor (logo no início do processo) deve disponibilizar um pequeno resumo dos produtos notáveis. Este pequeno pedaço de papel deve explicar de forma muito sucinta como utilizar a matéria nova, por exemplo:

(a + b)2 = (a + b) . (a + b) se transforma em  (a + b)2 = a2 + 2ab + b2

Essa simplificação permite o foco no que – no final das contas – realmente é relevante e  usado na prática.

Toda a explicação teórica sobre como usar os produtos notáveis é de grande importância, mas, infelizmente, manter toda a explicação teórica e complexa sobre o processo dentro do único lembrete que foi disponibilizado sobre aquele único tópico pode gerar um grande efeito negativo.

O posicionamento do aluno diante de uma disciplina é de extrema relevância para garantir que seus resultados educacionais se encaixem sempre em padrões altos. Este parecer positivo diante do tema deve ser preservado com muito zelo. Um dos possíveis resultados ruins vindos deste lembrete que acabou sendo longo e complexo demais é que o aluno, ao procurar as contas de forma sucinta (como a exemplificada a cima) enquanto realiza rapidamente alguma situação problema ou exercício, pode acabar por se perder, ficar confuso e até mesmo, não achar o que realmente o interessa.

Situações como essa tem grande peso na autoconfiança de um jovem, pois, quando ocorrem, podem se transformar rapidamente em um contexto puramente baseada no estresse, autodepreciação e raiva. Infelizmente, este novo contexto negativo tende a se transformar em um posicionamento negativo que, normalmente, é cultivado de forma permanente no estudante.

Como sabemos, o modo que o aluno recebe este novo conhecimento pode mudar tudo. Está é a grande função do lúdico, garantir que todo novo assunto seja entregue de uma forma agradável e não agressiva, assim garantindo não um bom, mas o melhor aprendizado possível.

Isso não significa que a teoria deve ser deixada de lado para que os estudantes alimentem seus cérebros apenas com aulas práticas, mas sim que a teoria pode ser apresentada de um modo que soe mais agradável e convidativo. É válido lembrar que a teoria pode ser demonstrada de forma física e a Homelab pode ajudar nisso. Situações assim transformam a sala de aula em um ambiente mais leve a aula em si, em algo muito mais lúdico.  

Muitas demonstrações físicas de teorias e atividades práticas são possíveis graças à Homelab que disponibiliza materiais diferenciados e dinâmicos, inclusive, possibilitando o ensino da matéria em questão com o quadro de produtos notáveis que abrange produtos notáveis quadrado da soma de dois termos, regra do produto notável quadrado da soma de dois termos, produto notável quadrado da diferença de dois termos e a regra do produto notável quadrado da diferença de dois termos e teorema de Pitágoras.

quadro-para-produtos-notaveis-2

Ao observar no quadro para produtos notáveis o que exatamente os produtos notáveis fazem, o aluno tende a memorizar de maneira mais fácil e entender mais profundamente as explicações teóricas dadas pelo professor, já que, agora, elas podem ser visualizadas mentalmente. O mesmo material pode ser usado para atividades práticas em grupo, ou seja, as possibilidades apenas se limitam na criatividade do próprio professor.

O importante é a instituição de ensino trabalhar em cima desse preconceito que os estudantes têm com algumas matérias, sempre com a intenção de guiá-los ao melhor aprendizado possível e nessa tarefa, o divertido e dinâmico podem ajudar muito. Sempre que o professor é capaz de fugir do básico em sala de aula, a criação da memória de longo prazo é motivada nos alunos e a Homelab, por acreditar exatamente nisso, oferece produtos de alta qualidade para permitir que ocorram mais aulas práticas e o aprendizado se torne cada vez mais dinâmico em todas as áreas. 

ice-cubes-1224804_1920

Uma grande função das aulas práticas é introduzir a explicação científica na vida do aluno e por meio disso, facilitar o aprendizado. Ao usar algo tão comum quanto o gelo, a teoria que foi sintetizada nesses experimentos realmente entre no dia-a-dia e facilita ainda mais a fixação do conteúdo.

Além disso, a água tem propriedades extremamente interessantes as quais podem ser exploradas em todos os seus estados físicos. A água faz parte de uma variedade gigantesca de assuntos abordados dentro de várias áreas da ciência. Considerando isso, experimentos como estes que vão ser exemplificados a seguir, podem ajudar no entendimento até mesmo de outras áreas e auxiliar no fator multidisciplinar.

1. As “pedras preciosas” de gelo!

Esta é uma experiência que pode ser feita com grande facilidade e demonstra a reação entre o gelo e o sal, já que o segundo componente diminui o ponto de congelamento e tira a água da sua forma sólida. Com a ajuda de uma pipeta que faz parte do nosso conjunto básico de laboratório de 57 peças, de alguns corantes, blocos de gelo (preferencialmente, o gelo deve ser feito em algum recipiente maior e não nas clássicas forminhas de gelo) e sal de cozinha, vamos conseguir pintar o interior dos blocos de gelo.

A ideia é formular uma solução salina com os corantes e o sal de cozinha, com ajuda de uma pipeta, essa solução deve ser derramada vagarosamente sobre a forma sólida da água. O sal vai criar pequenos buracos e saliências dentro do gelo graças à reação já mencionada, o corante então vai escorrer para dentro dessas fissuras e colorir o interior do gelo. Essa atividade acaba por criar pequenas obras de arte temporárias, que, além de bonitas, são extremamente instrutivas de modo prático.

2. O gelo que não parte no meio!

Regelo é o fenômeno de fusão do gelo por aplicação de pressão e logo em seguida, solidificação, a qual ocorre graças a pressão que é novamente reduzida. Esse fenômeno pode ser teorizado com a ajuda de um gráfico sobre variação do ponto de congelamento da água e o experimento ajuda a demonstrar de forma lúdica uma das propriedades mais interessantes do gelo.

3. Densidade diferentes em diferentes estados físicos!

O ensino por meio de aulas práticas é de extrema relevância, são essas aulas que garantem que os estudantes levem o aprendizado para o resto de suas vidas e principalmente, que apliquem-os no dia-a-dia, já que essa atitude é de grande auxílio para a memorização de longo prazo. Por acreditar nesses ideias que a Homelab oferece uma infinidade de produtos e materiais de alta qualidade para garantir o sucesso e o maior aproveitamento de todas as aulas práticas.

IMG_7606

Aulas dinâmicas impactam de modo positivo o aprendizado dos estudantes, principalmente quando a matéria em questão é repleta de conceitos complexos, assim como a química. Ser capaz de ver na prática as teorias dadas em sala de aula facilitam a – muitas vezes difícil – tarefa de assimilar a matéria, incentivar a curiosidade dos estudantes sobre o assusto em pauta, auxiliar no esclarecimento de dúvidas e de criar um real interesse pela área já que ela que fica mais interessante aos olhos dos estudantes. Um laboratório de química cumpre todas essas funções, mas, podemos ir além ao lembrarmos que a química é uma ciência experimental, ou seja, incentivar os alunos à realizar experimentos deveria ser algo natural.

A seguir será possível conferir algumas questões importantes na hora de montar um laboratório de química.

Segurança

Como sabemos, reações químicas podem ser perigosas, por esse motivo existem regras de segurança que devem ser seguidas na hora da construção de um laboratório de química. Com a intenção de aproveitar o máximo do laboratório de química, as regras de segurança devem ser levadas em conta e ganharem a devida atenção. Para prevenir acidentes, o projeto deve sempre ser feito por um profissional com muita responsabilidade. Toda a estrutura deve ser feita considerando a segurança do profissional e dos alunos que ficarão naquele ambiente. Se tais regras forem levadas a sério e aplicadas no local, os alunos e professores vão estar sempre seguros no ambiente em questão, assim, ajudando a criar um ambiente ideal para o aprendizado e ainda assim, divertido.

Algumas das diretrizes de segurança focadas na estrutura do laboratório são:

  • Paredes claras, foscas, impermeáveis, resistentes ao fogo e à elementos químicos;
  • Piso impermeável, antiderrapante e sem variações na sua estrutura que possivelmente atrapalhem a movimentação de pessoas e materiais;
  • Portas devem ser posicionadas estrategicamente para garantir a maior segurança possível e seus acabamentos devem ser feitos de um material que retarde o fogo em caso de emergência;
  • As janelas devem ter um sistema que controle os raios solares (como por exemplo, persianas metálicas), é preciso tomar cuidado para que o material usado para essa tarefa não seja inflamável;
  • Os reagentes devem ser armazenados com segurança em um local ventilado, amplo e com instalações elétricas à prova de explosões;
  • Para evitar possíveis danos físicos caso ocorra uma emergência, é sempre importante ter dentro do laboratório o chuveiro e o “lava-olhos”.

A segurança vai além da estrutura, as recomendações se prolongam para a segurança pessoal de todos os presentes no laboratório. Algumas das indicações são sempre usar:

  • Sapatos fechados;
  • Calça comprida;
  • Luvas especiais para a atividade específica que vai ser desenvolvida (em laboratórios de ensino, normalmente são luvas de látex ou PVC);
  • Óculos de proteção;
  • Aventais de manga comprida feitos de algodão.

Algumas situações que prejudicam a segurança pessoal no ambiente laboratorial são:

  • Usar lentes de contato;
  • Usar anéis;
  • O uso de shorts e calçados abertos é proibido;
  • Deixar o cabelo solto (o recomendado é sempre manter o cabelo preso e possivelmente com a touca de proteção);
  • Ingerir alimentos ou fumar no ambiente.

Lembrando que o professor ou o responsável pelo laboratório deve sempre explicar aos estudantes todas as regras de segurança e deixar claro que é de uma importância sem precedentes segui-las. Garantir a segurança não vai fazer com que a aula seja menor interessante ou dinâmica.

Equipamentos e materiais

Um laboratório de química precisa de equipamentos e materiais. São eles que no dia-a-dia vão garantir o aprendizado mais eficiente (que ocorre graças a essa junção de aulas teóricas e práticas).

1

A Homelab oferece o conjunto básico para laboratório com 57 peças. Ele é destinado ao aprendizado na área da química em qualquer nível de ensino. O conjunto é composto por alguns reagentes, vidrarias e ferragens que permitem que o professor dê aulas demonstrativas e práticas (no laboratório ou até mesmo em sala de aula, se necessário).

O conjunto de reagentes com 70 peças da Homelab amplia as opções dentro do laboratório. Este conjunto vem com a quantidade adequada nos frascos, visando evitar o desperdício, além de oferecer a comodidade de encontrar todos os materiais em um único lugar. Estas aulas práticas também podem se estender para até 40 alunos com a ajuda do conjunto de vidrarias com 156 peças. Todas as vidrarias são temperadas e permitem que atividades práticas de coletas de dados e comprovação de teorias sejam realizadas pelos estudantes.

Tudo isso tem como função viabilizar que os alunos presenciem os fenômenos químicos, permitindo que eles tenham uma maior fixação do conteúdo, criem interesse pela área e ainda permitir que o professor estruture uma aula interativa, dinâmica e que ajude os estudantes à desenvolver habilidades como a capacidade de resolver dilemas, problemas e tirar conclusões de forma independente.

Disponibilizar um laboratório de química na sua escola é um grande diferencial. É um investimento financeiro que reflete em forma de uma estrutura física de qualidade e também no desenvolvimento dos alunos no quesito didático. Aulas práticas como as que acontecem em laboratórios, promovem a oportunidade de o aluno vivenciar a matéria e lhes dá a condição perfeita para chegar a conclusões por conta própria. Essa atitude gera um impacto positivo na própria motivação dos alunos sobre as aulas em questão e inclusive, na confiança do aluno em si mesmo diante da matéria escolhida, no caso, a química.

Aulas práticas no laboratório dão a oportunidade dos estudantes verem a face prática do dia-a-dia da química, além de mostrar um lado mais divertido e dinâmico que vai além de números, letras e símbolos. A Homelab disponibiliza muitos outros equipamentos e materiais, formando uma linha completa que inclui tudo o que uma instituição de ensino precisa para montar um laboratório de qualidade e incentivar cada dia mais a qualidade e inovação no ensino.