A base do nosso corpo são nossos ossos. Eles sustentam o nosso peso e oferecem proteção aos órgãos internos. Você sabia que um indivíduo adulto possui 206 ossos, porém, quando nascemos, contamos com 300 ossos? Muitos desses ossos “extras” se fundem formando um só. O desenvolvimento do esqueleto dura, em média, até os 22 anos de idade, sendo que o único osso humano com que já nascemos plenamente desenvolvido é um ossículo do ouvido.

Nossa estrutura óssea representa 15% do peso de nosso corpo. É de conhecimento geral que o maior osso que possuímos é o fêmur que, apesar de oco, é mais resistente ao peso do que o concreto. Um pedaço de osso humano com o tamanho de uma caixa de fósforos pode suportar até 9 toneladas de peso. Já o menor osso humano é estribo, presente no ouvido. Apesar do exterior dos ossos serem duros, seu exterior é mole, formado por um tecido cuja composição é de 75% água.

São muitas as curiosidades sobre os nossos ossos, assim como os conteúdos de biologia sobre eles a serem ensinados no Ensino Médio. Por isso, nada melhor do que possuir um modelo de esqueleto disponível em sala de aula para demonstrar aos alunos como é importante conhecermos mais sobre nosso corpo.

Curiosidades sobre os ossos humanos

Conheça os esqueletos articulados da Homelab, confeccionados em material plástico de alta resistência e com opções diferenciadas para cada tipo de conteúdo a ser ensinado em sala de aula.

Compartilhe Tags
0 comentários

A melhor forma de explicar as diferenças entre as células animais e vegetais para seus alunos  é através da comparação. Apesar de sermos, aparentemente, seres completamente diferentes das plantas, nossas estruturas celulares coincidem bastante com relação às organelas que as constituem, como pode-se ver no quadro abaixo:

Como explicar as diferenças entre a célula animal e vegetal para os alunos?

A partir da comparação, pode-se explicar as diferenças entre organelas presentes ou ausentes nos dois tipos de células, suas funções e quais são as especifidades metabólicas e estruturais de cada tipo. Por exemplo, uma das características mais marcantes da célula vegetal — e que não está presente na célula animal — é a membrana rija que a protege externamente, uma parede celular formada principalmente por celulose, polissacarídeo estrutural das plantas, o termo bioquímico para aquilo que chamamos de fibras. Já a célula animal é protegida pela membrana plasmática, composta por lipídios e proteínas, uma estrutura fina que controla a entrada e saída de substâncias.

Como no exemplo citado, comparar as estruturas comuns e diferentes das células pode ajudar a reforçar não só as funções das organelas, como também, a entender melhor os tipos de funcionamento diferentes dos organismos vivos. E a maneira mais didática de fazer isso é através da demonstração. Para isso, a Homelab possui modelos estruturais de células animal e vegetal com suas organelas mais importantes diferenciadas por cores e relevo, garantindo a melhor compreensão do aluno. Desse modo, posicionar os dois modelos de células e compará-los simultaneamente, especificando suas organelas coincidentes ou não, é um método eficaz de ensinar mais sobre essas estruturas essenciais para a vida.

IMG_8119

A grande utilidade dos modelos em 3D nas aulas de biologia vem da ideia de que este material permite a visualização real do objeto de estudo, o que facilita muito o aprendizado, principalmente quando o assunto é a biologia, afinal, esta matéria necessita de total compreensão da localização de cada tópico e da sua anatomia. Modelos em 3D fazem com que essa noção de localização necessária ao estudo da biologia seja facilitada e todas as dúvidas tiradas.

Por exemplo, a cabeça em corte mediano e a cabeça em disco em corte axial permitem visualizações diferentes do mesmo item, promovendo uma compreensão bem mais ampla do assunto. Tais materiais vão além de apenas imagens impressas nas páginas de uma apostila e da simples teoria, os modelos trazem para o aluno a oportunidade de vivenciar o que está sendo estudado e mais importante ainda, aprender até mesmo a reconhecer estas estruturas no seu dia-a-dia, pois, com a ajuda dos modelos, o assunto consegue virar tátil.

IMG_8035

Já o torso bisexual permite que o aluno compreenda a posição de todos os órgãos dentro do corpo humano e como eles são interligados. Por exemplo, é possível visualizar o caminho que a comida faz dentro do corpo humano e o professor pode utilizar essa oportunidade para explicar o que ocorre exatamente em cada órgão, só que dessa vez, de forma muito mais dinâmica graças a ajuda dos modelos em 3D. Assim facilitando a assimilação do conteúdo e o processo de memorização da matéria, além de incentivar o estudo da anatomia.

Outra vantagem é a observação de itens menores, como na secção mediana da mão, é possível observar estruturas ósseas, musculares, vasculares e várias estruturas. Porém, o tamanho pode ficar menor ainda, como na dupla hélice do DNA ou em modelos de estruturas de diferentes células, como a animal e a vegetal, afinal, saber diferenciá-las é essencial.

Os modelos promovem muito mais do que apenas uma visualização da matéria de modo mais completo, eles transformam estruturas microscópicas em algo tátil que fica gravado na memória do aluno e como consequência, se torna mais uma conteúdo aprendido com facilidade graças ao auxílio dos materiais da Homelab, a qual oferece uma linha completa focada no ensino da biologia pois acredita que uma proposta dinâmica é o futuro da educação de qualidade.