química

Você sabia que o cérebro humano tem a consistência de um tablete de manteiga, sendo que, como o laticínio, 60% dele é composto por gordura? Ele pesa em média 1,36kg, comportando cerca de 100 bilhões de células nervosas. Nosso cérebro é mais poderoso do que qualquer computador já inventado, com um processamento de dados de 3 mil GHz. Cada impulso nervoso viaja pelo processador desse computador orgânico a uma velocidade superior a 400km/h, assim como, quando tocamos algo, enviamos uma mensagem para o cérebro numa velocidade de 200km/h.

Outra curiosidade interessante sobre o cérebro humano é que ele fica mais ativo justamente quando dormimos. Na fase REM (sigla para Rapid Eye Moviment) do sono, áreas do cérebro são desativadas, fazendo com que o corpo fique paralisado, por isso não caímos da cama. Quando uma pessoa está acordada, seu cérebro gera mais ou menos 25 watts de energia, o suficiente para acender uma lâmpada.

Se o cérebro ficar sem oxigenação por um período entre 5 e 10 minutos, os danos causados são irreversíveis. Não é possível reparar completamente algum dano feito a uma célula nervosa. Cada neurônio estabelece de 1 mil a 10 mil conexões com outros neurônios e, fazendo as contas, nosso cérebro chega a fazer 10 trilhões de conexões em toda a sua área. O órgão possui cerca de 25 mil centímetros quadrados. Cada vez que uma memória é criada, novas conexões entre os neurônios são feitas.

Para ensinar essas e outras curiosidades sobre o cérebro humano, utilize em sala de aula o cérebro com artérias em 9 partes da Homelab e deixe sua aula muito mais didática!

Compartilhe Tags
0 comentários

No século XVI, os cientistas faziam observações astronômicas a olho nu ou com equipamentos pouco eficientes. No início do século seguinte, o cientista Hans Lippershey inventou a luneta, instrumento óptico que funcionava a partir da conjunção de uma lente côncava e outra convexa, cujo nome era refrator. Em 1606, Galileu Galilei construiu a primeira luneta de que se tem notícia, utilizando-a para observar o céu. Assim surgiu a luneta astronômica, equipamento que revolucionou a ciência.

A luneta também é conhecida como telescópio refrator, justamente por utilizar o princípio da refração da luz em seu funcionamento, tendo como finalidade a aproximação visual dos objetos distantes. Ela é constituída por duas lentes com campos visuais, ou seja, distâncias focais, diferentes. A primeira lente, é objetiva e fica na ponta da luneta, com uma distância focal de poucos metros. A segunda lente, aquela que fica próxima de nossos olhos quando utilizamos a luneta, é uma lente ocular, com distância focal de poucos centímetros. Quanto maior a distância focal, maior a aproximação dos objetos.

A primeira lente, a objetiva, capta a luz refratando-a para a outra lente, a ocular, trazendo para o olho humano a vista dessa luz refratada. Essa imagem comporta-se como objeto para a segunda lente, a ocular, que funciona como uma lupa, produzindo uma imagem virtual maior do que poderíamos ver a olho nu. Por isso que as imagens distantes aumentam quando utilizamos a luneta.

Em 1680, Isaac Newton criou o telescópio refletor, um melhoramento da simples luneta. Em vez da combinação de duas lentes, Newton inseriu um espelho côncavo e um espelho plano para captar a luz e refleti-la no foco de visão. O espelho côncavo, assim, reproduz a imagem de um objeto distante situado em seu foco. Essa imagem também se comporta como um objeto virtual aumentado, refletido então pelo espelho plano e captado pela lente ocular, que funciona como uma lupa.

Para ver o que o céu e as estrelas têm para nos ensinar, conheça o telescópio em forma de luneta da Homelab e o telescópios astronômico da Homelab. Afinal, para nós, o céu não é o limite de alcance da ciência.

Compartilhe Tags
0 comentários

Você já reparou que as cores que aparecem no arco-íris estão sempre na mesma ordem? Vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. Isso acontece porque o arco-íris é um fenômeno físico e químico, e não o caminho supersticioso para um pote de ouro. Ele ocorre quando há a separação das ondas de luz solar, sofrendo desvios provocados por gotas de chuva na atmosfera. Por isso que os arco-íris acontecem depois de um período de chuva cessado e que o Sol volta a brilhar. Nos desvios sofridos, a luz solar entra nas gotas de chuva refletindo sua luz, que novamente é desviada ao sair das gotas.

As cores do arco-íris, como dito, aparecem sempre na mesma ordem, sendo que os ângulos de saída, o tamanho do arco e seu local são variáveis imprevisíveis em sua formação. Tudo depende das gotas de água envolvidas no processo. O tamanho do arco varia também de acordo com a vista do observador, pois o arco-íris é uma ilusão de ótica, sendo relacionado por nosso cérebro àqueles objetos que estão mais próximos na paisagem, ou seja, ao ver um arco-íris em campo aberto ele parecerá menor do que se avistar um arco-íris perto de cidades ou montanhas.

Por ser uma ilusão de ótica, o arco-íris resguarda alguns princípios físicos muito importantes como a decomposição da luz branca em sete cores diferentes, através de um prisma formado pelas gotas de água. O arco-íris sempre se forma exclusivamente entre ângulos de 40 a 42 graus em relação ao observador dos raios de Sol. No pôr do Sol o arco-íris apresenta maior arco, e quanto mais alto estiver o Sol, menor será o semicírculo formado pelo arco. As gotas redondas e menores, como aquelas presentes no final de uma chuva, são as melhores para produzir o arco-íris.

Para investigar mais sobre fenômenos ópticos como o arco-íris, utilize em sala de aula os bancos ópticos da Homelab. Com eles, é possível reproduzir os fenômenos ópticos estudados na escola.

Compartilhe Tags
0 comentários

blog-educar2

A Bett Educar desenvolveu uma programação com conteúdo inovador que irá abordar os temas mais atuais do setor.

Ao todo, serão 120 atividades realizadas em 6 auditórios com a participação de grandes especialistas. Com o compromisso de contribuir para a transformação da educação, a Bett Educar entende a inovação e o uso de tecnologias como meios essenciais para o alcance desse objetivo. O Congresso Bett Educar 2018 terá como tema a implementação de duas importantes políticas educacionais: a Base Nacional Curricular Comum e a Reforma do Ensino.

A Bett Educar é o ponto de encontro ideal dos profissionais da área de educação que buscam conhecer as melhores práticas e debater com os principais influenciadores do Brasil.

Clique aqui para conferir a programação completa.

Confira os horários de realização do evento: 
08/05 – 08h30 – 19h;
09/05 – 09h – 19h;
10/05 – 09h – 19h;
11/05 – 09h – 19h

Local: Rod. dos Imigrantes, km 1,5 – São Paulo/SP

Visite-nos para conhecer nossos produtos, lançamentos e bater um papo sobre educação. O credenciamento de visitantes da Bett Educar 2018 já está disponível gratuitamente aqui.

blog-homelab-educar

A participação na feira é gratuita e você já pode fazer o credenciamento.

  • Tenha acesso dinâmico e rápido aos lançamentos e demonstrações de novos serviços e produtos para o setor de educação;
  • Uma ótima oportunidade para fazer contato, comparar, tirar dúvidas e questionar sobre cada produto ou serviço apresentado;
  • Estabeleça sua rede de contatos e surpreenda-se com o que estará a sua disposição;
  • Veja como a tecnologia está sendo inserida no contexto da educação e conheça os seus maiores propulsores;
  • Fique por dentro das discussões de maiores repercussões do setor como: Inclusão, Reforma do Ensino Médio, Bilinguismo, entre outras;
  •  Conheça cerca de 200 empresas dispostas a oferecer o que há de melhor no mercado de educação;
  • Marque presença no ponto de encontro da comunidade educacional no Brasil.

Visite-nos para conhecer nossos produtos, lançamentos e bater um papo sobre educação. O credenciamento de visitantes da Bett Educar 2018 já está disponível gratuitamente aqui.

Aqui você encontra a programação completa da Bett Educar 2018.

Mais sobre a Bett Educar 2018

Confira os horários de realização do evento: 
08/05 – 08h30 – 19h;
09/05 – 09h – 19h;
10/05 – 09h – 19h;
11/05 – 09h – 19h

Local: Rod. dos Imigrantes, km 1,5 – São Paulo/SP

Homelab Pocket – Edição 27 – Abril 2018

Homelab Pocket – Edição 27 - Abril 2018
A Homelab Pocket – Edição 27 – Abril 2018 traz aos leitores matérias sobre a qualidade na educação e descobertas sobre a prevenção do câncer. Assuntos que despertam o interesse de educadores, pais e futuros profissionais das diversas áreas da educação, ciências e biologia. Também contamos com detalhes todas as características e diferenciais do Conjunto para Múltiplas Ciências usado em sala de aula.
CLIQUE AQUI e baixe agora a edição completa da Homelab Pocket – Edição 27 – Abril 2018.
Compartilhe conosco suas opiniões aqui nos comentários e também nas redes sociais.

Sobre a Homelab Pocket

A Homelab Pocket é uma publicação mensal da Homelab – A Casa do Laboratório para professores, gestores e diretores, falando sobre as novidades sobre ciências, tecnologias e equipamentos laboratoriais para as mais diversas áreas do ensino.

Gostou da Homelab Pocket – Edição 27 – Abril 2018?

Veja as outras edições já publicadas clicando aqui.

A pressão atmosférica atuando sobre nós pode ser considerada relativamente intensa, apesar de não sentirmos seu efeito sobre nosso corpo, uma vez que há equilíbrio entre ela e a pressão de nossos fluídos internos. Através do experimento abaixo, pode-se demonstrar em sala de aula os efeitos da pressão atmosférica criado em uma pequena área de vácuo parcial durante curto tempo.

Utilize um copo cheio de água até a boca e um papel cartão de tamanho um pouco maior que o copo. Posicione o papel cartão sobre a boca do copo e deixe molhar um pouco. Inverta o copo rapidamente. Ao fazer esse movimento, é possível perceber que a água do copo não derrama imediatamente porque a pressão atmosférica segura o papel cartão por um curto tempo.

Como demonstrar o efeito da pressão atmosférica? pressao_atm (2)

Isso indica que foi criado uma pequena área de vácuo parcial entre o copo e o papel cartão. Há uma diferença de pressão entre o recipiente com água e o cartão exposto à pressão atmosférica. A pressão da água é maior que a do ar, por isso o vácuo parcial é criado. A pressão atmosférica pressiona o papel cartão contra o copo com água, criando o vácuo parcial, exercendo sua força contra a água. No entanto, quando a água derrama, o ar já ocupou o espaço do vácuo parcial equilibrando as forças. O pequeno espaço de tempo que demora para que a água derrame demonstra a força da pressão atmosférica atuando sobre nós.

Para fazer este e outros experimentos, utilize os materiais presentes no completo Conjunto para Múltiplas Ciências da Homelab, deixando suas aulas muito mais didáticas e dinâmicas.

Compartilhe
0 comentários

Como ensinar sobre mitose e meiose?

A principal diferença entre mitose e meiose é básica e já fica clara na etimologia de seus próprios nomes: mitose deriva do grego mitos, que significa fio, filamento. É como se a divisão celular fosse uma continuidade, um fio, gerando duas células filhas que possuem o mesmo tipo e número de cromossomos que a célula mãe. Já na etimologia de meiose temos o grego meioun, que significa diminuir, ou seja, as células geradas não serão iguais a célula mãe, mas com a metade de cromossomos da célula mãe. Além desta diferença básica, mitose e meiose possuem também fases diferentes de divisão celular. A meiose possui ainda subfases que geram a redução celular.

No corpo humano, a mitose ocorre desde o momento da fecundação até a morte de um indivíduo. O feto se forma no útero da mãe através de processos de duplicação das células para gerar um novo ser. Quando, por exemplo, nos cortamos, há um esforço de recuperação das células epiteliais atingidas que se dá através da mitose.

Já a meiose, no corpo humano, ocorre com a finalidade específica de produzir células sexuais ou gametas (espermatozoides e óvulo). Daí a importância da meiose, pois, sendo esta uma divisão reducional, resultando em uma célula de 23 cromossomos, funde-se com seu par na fecundação, formando uma célula de 46 cromossomos que gerará um novo indivíduo.

Uma forma pedagógica de ensinar as diferenças e similaridades entre mitose e meiose é através dos conjuntos da Homelab confeccionados em diferentes cores e etapas de cada tipo de divisão da célula animal. Inove na hora de ensinar conteúdos básicos de biologia para seus alunos em sala de aula.

Qual o tamanho da Lua

Você sabe dizer exatamente qual o tamanho da Lua? Bom, ela possui 3.500 km de diâmetro. Mas por quais motivos a vemos de diferentes tamanhos dependendo de seu posicionamento no céu? Por causa da ilusão de ótica que a sua distância da Terra causa em nossos olhos.

Essa ideia de comparar o tamanho da Lua pode ser um experimento interessante para ser feito em sala de aula, com estudantes do Ensino Fundamental. Durante vários dias, o professor pode sugerir que os alunos meçam o tamanho da Lua cheia de acordo com a sua visão de casa, utilizando uma moeda de 1 real apontada para a Lua com o braço esticado em 90°. O experimento leva a perceber que a Lua, medida dessa forma, estando no horizonte ou no alto do céu, cobre totalmente a moeda de 1 real em relação à nossa visão.

Então por que motivo a Lua parece maior em certas noites? Na verdade, o tamanho que vemos a Lua aqui da Terra sofre influência de ilusões de ótica diferentes que discriminam o tamanho com que a apreendemos. A Lua é vista da Terra sob quase meio grau de ângulo, ou 29 minutos de arco. Existem duas explicações para o tamanho que percebemos uma Lua cheia, por exemplo.

A primeira, relaciona-se com a posição da Lua perto do horizonte, quando instintivamente a comparamos com prédios, árvores e montanhas que estão perto de nós. Esse posicionamento relativo aos grandes objetos terrestres causa uma ilusão de ótica que nos induz a ver a Lua maior do que realmente é no céu. Por isso, quando a Lua não está perto do horizonte, mas alta no céu, ela parece menor, porque perde como referência os objetos terrestres.

A segunda explicação diz respeito à refração atmosférica, que curva os raios de luz tangenciais à Lua, fazendo com que nossos olhos apreendam uma imagem ovalada e ligeiramente ampliada do satélite. Mas essa diferença de percepção é bem pequena. O que realmente define os diferentes tamanhos com que percebemos a Lua é o seu posicionamento no céu e a ilusão de ótica que outros objetos causam em relação ao seu tamanho.

A Homelab possui materiais e equipamentos ideais para deixar a sua aula sobre a Lua mais didática e interativa. Conheça o globo lunar, o telescópio astronômico e a luneta extensível que podem contribuir ainda mais para a sua aula.

Como ensinar os movimentos da Terra?

Nas aulas de geografia, um dos conteúdos básicos de aprendizado são os movimentos translativo e rotativo da Terra, ou seja, respectivamente, seus movimentos ao redor do Sol e em torno do próprio eixo terrestre. Para ensinar e explicar didaticamente esses conceitos, a Homelab possui dois materiais que podem auxiliar nesse processo: o planetário iluminado e o heliodon.

O planetário iluminado Homelab ajuda o aluno a entender os posicionamentos da Terra em relação ao Sol, ou seja, o movimento translativo de nosso planeta. É alimentado por uma fonte energética de 110 ou 220V, que simula a energia solar. Ajuda o aluno a entender aspectos do dia e da noite como o nascente e o poente, pontos cardeais, estações do ano, afélio e perifélio.

O heliodon é um equipamento utilizado para simular o movimento aparente do Sol tal como visto da Terra em pequena escala. A partir dessa simulação, pode-se saber como o Sol incidiria sobre determinado objeto de acordo com várias datas do ano e horas do dia, variando seus ângulos solares. Por isso, o heliodon é bastante útil para arquitetos, pois simula em maquetes a incidência do Sol em determinado edifício a ser construído.

Mas o heliodon pode ser muito pedagógico em sala de aula, explicando para os alunos, especialmente nos anos finais do Ensino Fundamental, conceitos de geografia básica como coordenadas de latitude e longitude e como elas podem indicar uma posição no globo terrestre, fuso horário, datas e estações do ano. No entanto, ele também é uma ferramenta muito útil em determinados cursos do Ensino Superior como arquitetura, geografia, geologia, física, biologia e agronomia.

Associando o planetário iluminado com o heliodon, fica muito mais fácil e didático ensinar aos alunos sobre os diferentes movimentos do planeta Terra dentro das aulas de geografia. Conheça melhor nossos produtos e deixe suas aulas cada vez mais dinâmicas!

Compartilhe Tags
0 comentários